Sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói é morto pela PM


Homem foi atingido por policial atirador de elite

Haviam 31 reféns no coletivo / Foto: Reprodução / TV Globo

Haviam 31 reféns no coletivo
JC Online

Após quase quatro horas, o sequestro de um ônibus na Ponte Rio-Niterói, no Rio de Janeiro teve o seu desfecho. De acordo com o Coronel Mauro Fliess, porta-voz da Polícia Militar, o sequestrador, ainda não identificado, morreu após ser atingido na perna por um atirador de elite. O revólver que o homem portava, de acordo com as autoridades, era de brinquedo. Nenhum dos 37 passageiros foi ferido e todos recebem cuidados médicos por procedimento de rotina.

O homem, que se identificou como policial militar para entrar no ônibus, não fez nenhuma demanda específica para liberar os reféns. Além da arma falsa, o criminoso portava gasolina e uma arma de choque, e ameaçava tocar fogo no coletivo. A motivação do crime não foi descoberta.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), disse, em sua conta no Twitter, que acompanha desde cedo o sequestro do ônibus e está em contato direto com o comando da Polícia Militar Para Witzel, “a prioridade é a proteção dos reféns”.

O sequestro

Por volta das 5h30 da manhã desta terça-feira, um homem armado entrou no ônibus de linha 2520, que sai do Jardim Alcântara, em São Gonçalo, em direção ao Estácio, na região Central do Rio, e obrigou o motorista a atravessar o coletivo na pista, na altura do vão central.

Segundo entrevista de refém, o criminoso entrou no veículo e anunciou o sequestro. Pediu que as vítimas fechassem as cortinas e que uma das passageiras amarrassem as mãos das vítimas. O sequestrador deixou claro para os reféns que não iria incendiar o ônibus.

Refém envia mensagem para esposa

A mulher de uma das vítimas que está dentro do ônibus sequestrado diz que foi avisada pelo marido sobre o caso.

“Ele saiu para trabalhar 4h30. Quando foi por volta de 5h26 ele me mandou uma mensagem dizendo que o ônibus estava sendo sequestrado, ‘estamos indo para a ponte’. A princípio eu pensei que era um assalto. Eu levantei, acordei o meu filho e disse: ‘Seu pai está sendo assaltado’”, afirmou ao G1 Eliziane Terra, que ligou para o 190 (telefone de emergência da polícia) para avisar sobre o sequestro.

Elziane conta que o marido parou de responder as mensagens depois de um tempo. “Eu estou muito nervosa, pedindo para isso acabar. Já tenho informações de que o cara quer colocar fogo no ônibus, a gente lembra de casos que teve no passado e fica muito nervosa e pede a Deus para isso acabar.”