Seleção brasileira encara o México para confirmar protagonismo na Copa


A seleção brasileira enfrentará o México na segunda-feira, pelas oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia, às 11h, em Samara

De acordo com Tite, Neymar alcançou o alto nível de sua forma / AFP

De acordo com Tite, Neymar alcançou o alto nível de sua forma

Triunfar ou voltar para casa. É com esse clima de decisão que a seleção brasileira encara nesta segunda-feira o México às 11h (de Brasília), em Samara, pelas oitavas de final da Copa do Mundo. Os comandados pelo técnico Tite garantiram a classificação na liderança do Grupo E, enquanto os rivais avançaram na segunda colocação da chave F. Não à toa, o Brasil, pentacampeão e que nunca perdeu para o rival em Copas, carrega o favoritismo no confronto. Encara também o desafio de espantar a zebra que eliminou gigantes e reassumir a condição de protagonista. Alemanha, Argentina e Espanha já caíram na tentativa. Portugal de Cristiano Ronaldo também já se despediu. Itália e Holanda nem sequer estão na competição russa.

Tentando evitar se juntar ao grupo de grandes seleções já eliminadas, o técnico Tite apostará na sequência de seus titulares para bater os mexicanos. A única mudança na equipe é a entrada de Filipe Luís como titular na lateral esquerda. Marcelo até treinou, mas será poupado após a lesão sofrida na região lombar. De acordo com o próprio Tite, ele ainda não tem condições físicas de atuar em alto nível por 90 minutos ou mais, caso o jogo se encaminhe para a prorrogação.

Fagner continuará na equipe principal, enquanto Danilo ficará à disposição no banco. Quem realmente está descartado é Douglas Costa, que ainda está se recuperando de um incômodo na posterior da coxa direita. “Nós procuramos uma equipe com infiltração pelos dois lados e que tenha coordenação de movimentos defensivos na linha de quatro. Ele (Fagner) tem esse enfrentamento. É uma das características dele. O ‘um contra um’ dele, de velocidade e recuperação é de qualidade”, avaliou Tite, que continuou. “Eu falei com Danilo antes de começar o treino, colocando para ele o critério. Ele vinha bem. Ficou dois jogos fora e entrou Fagner bem”, argumentou.

ADVERSÁRIO

O México é considerado um adversário perigoso. Tanto que Tite não revelou detalhes da estratégia para superar a equipe de Juan Carlos Osorio. “Nesses aspectos táticos, vamos segurar um pouco (as informações). Sei da qualidade de todo o trabalho deles. Não vou trazer minuciosamente situações específicas”, disse destacando que há duas alternativas para o jogo.
Informações dos bastidores dão conta que a comissão técnica brasileira espera um México parecido com o que venceu a Alemanha por 1×0, na estreia. Em linhas gerais, a equipe acredita que o rival vem fechado, tentando contra-ataques. Diante dos suecos, Osorio mandou o time ao ataque e foi surpreendido com um placar por 3×0.

Brasil e México já se enfrentaram quatro vezes em Copas. O retrospecto é a favor dos brasileiros, com três derrotas e um empate. Os números, porém, não enchem os olhos da seleção, que não cogita a possibilidade de eliminação precoce. Se acontecer, vai representar o pior resultado da seleção desde 1990, na Itália, quando caiu nas oitavas de final ao perder para a Argentina. Se avançar, pegará o vencedor de Bélgica e Japão.