Saiba o que é a “nuvem de poeira Godzilla”, que está vindo para as américas


O fenômeno é comum, mas, segundo especialistas, está acontecendo de forma mais densa neste ano

REPRODUÇÃO/CIRA
A nuvem vem encobrindo parte do Oceano Atlântico há dias – FOTO: REPRODUÇÃO/CIRA
Leitura: 4min

com informações da BBC

Há dias, parte do Oceano Atlântico está sendo encoberta por uma gigantesca nuvem marrom e densa. Imagens capturadas por satélites mostram que é possível ver a nuvem, que esconde os tradicionais tons de azul e branco, sai da África e vai em direção ao Caribe. O fenômeno, chamado por alguns especialistas de “nuvem de poeira Godzilla”, trata-se de uma nuvem de ar do Saara.

>> Nuvem de gafanhotos se aproxima do Brasil em meio à pandemia de coronavírus

>> Ministério da Agricultura monitora nuvem de gafanhotos que se aproxima do Brasil

Segundo especialistas, o fenômeno é comum, mas, neste ano, está acontecendo de forma mais densa. De acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, em inglês), a nuvem, que já provoca efeitos no Caribe, deve se mover rumo ao oeste pelo Mar do Caribe em direção às áreas do norte da América do Sul, América Central e da Costa do Golfo dos Estados Unidos. O fenômeno já percorreu mais de cinco mil quilômetros desde que foi observado há uma semana na área oeste da África.

A recomendação é que as pessoas usem máscaras e evitem ao máximo realizar atividades ao ar livre. Além disso, os navios foram alertados sobre a baixa visibilidade.

O fenômeno pode afetar a pele e os pulmões porque o ar seco com poeira tem cerca de 50% menos umidade, e também pode ser nocivo às pessoas que têm problemas respiratórios, causando alergias e irritações nos olhos.

Nuvem de gafanhotos se aproxima do Brasil

Uma nuvem de gafanhotos vinda do Paraguai adentrou em território argentino, no dia 17 de junho, e se aproxima das fronteiras do Brasil e do Uruguai. Os insetos causaram estrago em lavouras paraguaias no decorrer das últimas semanas. Segundo a projeção divulgada pelo governo da Argentina e confirmada pela Somar Meteorologia, os animais devem chegar ao oeste do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina nos próximos dias.

Por preferirem tempos secos e quentes a faixa Oeste do Rio Grande do Sul está em atenção. Em decorrência da previsão de chuva entre esta quarta (24) e quinta-feira (25), a ‘praga bíblica’ não deve chegar em grande número ao estado. Segundo a Somar, a chance de grandes estragos é baixa devido à mudança de tempo. “Se permanecêssemos com ventos de norte e tempo seco por mais dias, poderia chegar”, informou o órgão.

A nuvem de aproximadamente um quilometro quadrado pode conter até 40 milhões de gafanhotos. O engenheiro agrônomo argentino Héctor Medina disse à agência Reuters que os insetos consomem, por dia, o equivalente às refeições de 350 mil pessoas ou 2 mil vacas.