PT vai reafirmar candidatura de Lula e acredita em aliança no 1º turno


“Ele é o nosso candidato sob qualquer circunstância”, declarou Gleisi Hoffmann

Partido reforçará o discurso de que Lula é um Partido reforçará o discurso de que Lula é um “preso político

A mobilização pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na Polícia Federal em Curitiba, pode culminar em uma aliança de partidos de esquerda já no primeiro turno da eleição presidencial, sinalizou a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR).

Após reunião Executiva Nacional do partido que ocorre nesta segunda-feira (9) o partido lançará uma resolução reafirmando que Lula é pré-candidato mesmo preso e reforçando o discurso de que ele é um “preso político”.

“Isso é consequência do que vamos construir a partir de agora. O importante é que as esquerdas estão unidas em defesa da democracia e da liberdade do presidente Lula”, disse Gleisi, quando perguntada se acreditava em uma aliança de partidos de esquerda já no primeiro turno das eleições presidenciais.

Os pré-candidatos ao Planalto Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela d’Ávila (PCdoB) se juntaram ao PT durante as mobilizações para defender Lula. Ciro Gomes (PDT), no entanto, ainda não participou de nenhum ato junto com a militância de Lula.

Preso político

Gleisi reforçou que Lula é candidato mesmo preso e que, se ele sair da prisão, ficará efetivamente apto a ser candidato. “Temos consciência absoluta que o presidente Lula é um preso político e isso vai ficar constando de uma manifestação formal do PT”, disse a senadora, falando sobre as deliberações da reunião da Executiva Nacional.

Além disso, ela disse que o partido fará a “reafirmação” da candidatura dele. “Ele é o nosso candidato sob qualquer circunstância, entendemos que a liberdade de Lula é candidatura efetiva à Presidência do Brasil”, declarou.