Políticos repercutem vídeo da reunião ministerial com Moro e Bolsonaro


Nas redes sociais já são várias as citações de deputados, senadores e governadores à gravação

Renata Monteiro

EVARISTO SA / AFP
O vídeo é peça-chave nas denúncias de Moro, que afirmou, em depoimento, que Bolsonaro tentou interferir na PF – FOTO: EVARISTO SA / AFP

A divulgação do vídeo da reunião ministerial citada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, como prova de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria tentado interferir politicamente na Polícia Federal (PF) já começa a repercutir no meio político. Nas redes sociais já são várias as citações de deputados, senadores e governadores à gravação, que foi liberada na tarde desta sexta-feira (22) pelo ministro Celso de Mello, relator do processo que investiga o caso no Supremo Tribunal Federal (STF).

Após compartilhar trecho do vídeo da reunião na sua conta do Twitter, o senador pernambucano Humberto Costa (PT) foi sucinto e disse: “Bolsonaro acabou”.

Aliada do presidente e uma das protagonistas do escândalo que culminou com o desembarque de Moro do governo, Carla Zambelli (PSB) divulgou o vídeo e afirmou que a gravação “mudará a República

“Não é uma reunião de trabalho de ministros, é a cúpula do Poder Executivo tramando um golpe contra a democracia”, disparou o deputado federal Marcelo Freixo (Psol).

Não é uma reunião de trabalho de ministros, é a cúpula do Poder Executivo tramando um golpe contra a democracia. O vídeo liberado pelo ministro Celso de Mello é a confissão do crimes de Bolsonaro e de todo o seu governo.

Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) afirmou que o vídeo divulgado pelo STF “revela um repertório inacreditável de crimes, quebras de decoro e infrações administrativas.

Na forma e no conteúdo, a tal reunião ministerial revela um repertório inacreditável de crimes, quebras de decoro e infrações administrativas. Além de uma imensa desmoralização e perda de legitimidade desse tipo de gente no comando da nossa Nação.

Adversário de Bolsonaro no segundo turno das eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) disse que a fala do presidente sobre a Polícia Federal demonstra que ele não estava se referindo à segurança da sua família. “Não há dúvida. PF não faz segurança de amigo”, disse o petista.

Fernando Haddad

@Haddad_Fernando

Se a preocupação do presidente fosse com a segur