Náutico pede para Ponte Preta e se complica na Copa do Brasil


Macaca bateu o Timbu por 3×0 e leva ótima vantagem pro jogo da volta

Náutico foi engolido pela marcação da Ponte / Léo Lemos/Náutico

Náutico foi engolido pela marcação da Ponte
Léo Lemos/Náutico
Com um primeiro tempo catastrófico, o Náutico foi atropelado pela Ponte Preta e fica em situação complicada na quarta fase da Copa do Brasil. Nesta quarta (11), em Campinas, a Macaca bateu o Timbu por 3×0 e tem ótima vantagem pro jogo da volta, na próxima quarta, na Arena de Pernambuco. Clube alvirrubro terá que vencer por quatro gols de diferença para avançar, ou três de vantagem para levar a decisão pros pênaltis.

O Timbu agora volta suas atenções para a estreia na Série C. No próximo domingo (15), começa a busca pelo principal objetivo do ano, a volta pra Segundona, com Clássico das Emoções contra o Santa Cruz, na Arena.

O JOGO

Com vários desfalques no ataque, o técnico Roberto Fernandes tentou reforçar a marcação pelas pontas, colocando dois laterais de cada lado. No primeiro tempo, a estratégia não deu certo, e a Ponte Preta engoliu o Náutico. Em 26 minutos, já estava 3×0 pra Macaca, que terminou com quase 70% de posse de bola nos primeiros 45 minutos. O Timbu não acertou sequer a barra do goleiro Ivan na etapa inicial.

Logo com 15 minutos, após cruzamento de Paulinho e corte de Camutanga, Orinho pegou de primeira e já abriu o placar no Moisés Lucarelli. Aos 18, o próprio atacante quase ampliou: chutou cruzado e Bruno mandou pra escanteio. No minuto seguinte, o segundo gol apareceu. E foi um golaço: Felipe Saraiva recebeu lançamento pela direita, driblou o lateral Kevyn e o goleiro Bruno e estufou a rede alvirrubra.

Aos 26, uma falha na defesa do Náutico resultou no terceiro da Macaca. Júnior Santos ganhou na velocidade para Camutanga, viu Camacho derrubar o próprio companheiro, avançou para tirar de Bruno e fez mais um pro Ponte.

Depois do massacre nos primeiros 30 minutos, o Náutico até tentou respirar, mas esbarrou na própria deficiência do ataque, desfalcado de Ortigoza, Wallace Pernambucano, Robinho e Rafael Assis. No primeiro tempo, só dois chutes, ambos pra fora: um arremate por cima de Jobson outro de Odilávio para fora.

Na etapa final, Roberto Fernandes fez logo duas mexidas: saíram Gabriel Araújo e Júnior Timbó, entraram Fernandinho e Hygor. Novamente, a estratégia do técnico ruiu logo cedo. Com quatro minutos, Jobson, que já tinha cartão amarelo, deixou o cotovelo no pescoço do adversário e foi expulso.

Mesmo com um a menos, o Náutico ainda foi um pouco mais organizado do que na primeira etapa. Sofreu menos defensivamente e até se arriscou no ataque, com chutes de longe de Bryan. Mas não foi o suficiente para diminuir a vantagem da Macaca para o jogo da volta. A Ponte, satisfeita com o resultado, administrou o placar e também chegou uma vez, com arremate de Aaron pra fora.

FICHA DE JOGO

(3) PONTE PRETA
Ivan; Emerson, Renan Fonseca, Reynaldo e Marciel; Nathan, Paulinho e Lucas Mineiro (Murilo); Felipe Saraiva (Aaron), Júnior Santos (Felippe Cardoso) e Orinho. Técnico: Doriva.

(0) NÁUTICO
Bruno; Thiago Ennes, Camutanga, Camacho e Kevyn; Negretti, Jobson e Júnior Timbó (Hygor); Gabriel Araújo (Fernandinho), Odilávio (Tharcysio) e Bryan. Técnico: Roberto Fernandes

Local: estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP). Horário:21h45. Árbitro: Daniel Bins (RS). Assistentes: Rafael Alves e Elio Nepomuceno (ambos do RS). Gols: Orinho, aos 16 min do 1ºT; Felipe Saraiva, aos 19 min do 1ºT; Júnior Santos, aos 26 min do 1ºT. Cartões amarelos: Marciel e Lucas Mineiro (P); Kevyn, Jobson e Fernandinho. Cartão vermelho: Jobson.