Ministro demitido recusa dar celular à Polícia Federal


Afastado do cargo de ministro do Trabalho pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira, 5, Helton Yomura ficou em silêncio em depoimento à Polícia Federal (PF) e se recusou a informar a senha do celular funcional do ministério utilizado por ele.

Yomura alegou que o aparelho possui “informações e arquivos privados” e que também era utilizado para seus fins particulares. O ministro afastado compareceu à Superintendência da PF nesta manhã perante o delegado Leo Garrido de Salles, responsável pelas investigações da Operação Registro Espúrio.

Além de determinar o afastamento de Yomura, o ministro Luioz Edson Fachin, do STF, também mandou prender o chefe do gabinete do ministro afastado, Julio de Souza Bernardes, o chefe de gabinete do deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) Jonas Antunes Lima e o superintendente do Ministério no Rio de Janeiro, Adriano José Lima Bernardo.

A PF também fez buscas no gabinete de Marquezelli na Câmara dos Deputados.