Gerente do Banco do Brasil e família são feitos reféns em casa no Cabo


Segundo a PM, três homens armados pretendiam passar a noite na casa da vítima e, pela manhã, ir ao banco e efetuar o assalto

O Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (DEPATRI), ficará a cargo das investigações sobre o caso / Foto: Reprodução/Google Street View

O Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (DEPATRI), ficará a cargo das investigações sobre o caso

Um gerente do Banco do Brasil foi feito refém na noite dessa terça-feira (5), em Ponte dos Carvalhos, no Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife. O caso aconteceu por volta das 23h na residência da vítima, que fica próxima a feira livre do bairro. Inicialmente, dois suspeitos invadiram a casa do bancário e anunciaram a ação contra o homem de 38 anos, que estava com sua mulher, grávida de oito meses, e a filha de três anos.

A intenção dos suspeitos, segundo a Polícia Militar (PM), era passar a noite na casa do gerente e logo pela manhã ir com ele até agência do Banco do Brasil e efetuar o assalto. Uma vizinha que passava pelo local desconfiou da movimentação e acionou a PM. Cerca de dez minutos após a denúncia, os agentes do 18º Batalhão chegaram ao local para iniciar a negociação com os dois homens.

Após 30 minutos de negociação, os dois sequestradores se entregaram. O bancário, a mulher dele e a filha não se feriram.

Terceiro suspeito

O terceiro suspeito, que se juntaria aos outros dois homens na ação dentro da casa do gerente, foi preso pela polícia após ser identificado pelo celular em um dos assaltantes. Os agentes da PM utilizaram o aplicativo de mensagem para localizá-lo

Presos, os homens foram identificados como Glauco Augusto Rissato, 36 anos, Isaias Dias de Santos, 38, e Daniel Lima Garcia, 36. Após o término da ação, foi descoberto que o trio usava documentos falsos e são oriundos do Ceará.

Confissão

Com os assaltantes foram apreendidas duas pistolas. Eles confessaram a intenção do crime e informaram onde o líder da quadrilha estava hospedado. Os policiais se encaminharam para a Pousada Pirata, localizada em Candeias, mas não encontraram o quarto suspeito no local.

O trio e as armas foram levados, logo depois, para a sede do Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (DEPATRI), em Afogados, no Recife, que passará a investigar o caso.