Fortes contradiz recomendação sobre vaquejada


Presidente do Conselho de Medicina Veterinária contradiz recomendação da entidade sobre vaquejada

O Globo – Coluna de Lauro Jardim
Por Juliana Braga

 

Benedito Fortes, presidente do Conselho Federal de Medicina Veterinária, declarou não existirem maus tratos aos animais em vaquejadas do ponto de vista técnico e científico.

Em um evento em Fortaleza no início de agosto, disse:

— Do ponto de vista técnico e científico, não existem maus tratos, não existem lesões, tanto quanto outras atividades (sic) que são cadastradas dentro do poder público e que devem ser realizadas de maneira efetiva e corriqueiramente, como é o caso da própria vacinação contra a febre aftosa.

A declaração foi dada após a apresentação de uma pesquisa sobre o assunto. Fortes disse que ela traria subsídios científicos para os presentes irem juntos ao STF, STJ, Câmara e Senado. A vaquejada hoje é questionada no STF.

Ele diz ainda ser necessário o conhecimento científico para não se colocar em posição caudatária de pessoas que vivem para “proteger o animal e passam até a humanizar o animal, colocando o homem em segundo plano”.

O problema é que o Conselho que ele preside é contra as vaquejadas. Em um texto publicado no site da entidade, aponta-se “intrínsica relação” entre a prática e maus-tratos.

Procurado, Benedito Fortes esclareceu por meio de sua assessoria que o comentário faz referência à “apresentações técnico científicas que demonstraram que a vaquejada promoveria menos estresse do que a vacinação”. E que nada foi dito a respeito de maus-tratos.