Coronavírus. Bolsonaro defende isolar apenas idosos e doentes: ‘vou definir junto com Mandetta’


Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)

Coronavírus. Bolsonaro defende isolar apenas idosos e doentes: ‘vou definir junto com Mandetta’

O presidente Jair Bolsonaro disse na manhã desta quarta-feira (25) que vai conversar com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para que o Brasil passe a adotar o “isolamento vertical” a partir de agora, ou seja, apenas idosos e pessoas com doenças pré-existentes ficariam distantes do convívio social. Bolsonaro também disse que o país corre risco de sair da normalidade democrática.

“Conversei com alto com o ministro Mandetta ontem e vamos definir essa situação. A orientação vai ser o isolamento vertical daqui pra frente, ou seja, idosos e quem tem duas ou mais doenças. Vou conversar com ele e tomar a decisão”, disse Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada.

 

O presidente devolveu crítica a integrantes do Congresso ao ser questionado sobre as críticas que recebeu de parlamentares e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que classificou o pronunciamento do presidente nesta terça-feira (24) como uma “fala grave”. Em rede nacional de rádio e televisão, Bolsonaro criticou a amplitude do isolamento social defendido por “alguns governadores” e ainda atacou a imprensa.

“Ser criticado por quem? Por quem nunca fez nada pelo Brasil? Estou muito feliz com a crítica”, disse Bolsonaro inicialmente.

“É um direito deles (criticar minha fala). Mas se eu falo um A contra eles vira uma crise institucional. Vou ligar para o Davi (Alcolumbre) hoje”, completou Bolsonaro.

Governadores

Jair Bolsonaro ainda disse que “alguns governadores” fazem política em meio à crise do novo coronavírus no Brasil e e voltou a defender a abertura de comércio no país. O presidente disse que, após a crise, o “desemprego pode bater à porta do povo”.

“O que estão fazendo no Brasil alguns poucos governadores e alguns poucos prefeitos é um crime. estão arrebentando com o Brasil, estão destruindo os empregos”, declarou Bolsonaro.

“Quem está bem o risco é quase zero (de morrer por causa do coronavírus). O risco maior é quem está acima dos 60 anos ou já tem alguma doença”, frisou o presidente. “Temos que tirar da cabeça do povo essa sensação de terror e pânico. Isso é igual à chuva, temos que enfrentar”, complementou.

‘Normalidade democrática’

O presidente Jair Bolsonaro ainda citou os protestos que ocorreram no Chile como base para defender a necessidade de as pessoas voltarem a trabalhar. Segundo ele, se a crise se agravar, há riscos de o país sair da normalidade democrática.

“O que precisa ser feito: botar esse povo para trabalhar, preservar os idosos, preservar aqueles que têm problemas de saúde, mais nada além disso. Caso contrário, o que aconteceu no Chile vai ser fichinha perto do que pode acontecer no Brasil. Todos nós pagaremos um preço que levará anos para ser pago, se é que Brasil não possa ainda sair da normalidade democrática que vocês tanto defendem. Ninguém sabe o que pode acontecer no Brasil. Da minha parte, eu me exponho porque o que eu quero levar para a população é uma mensagem de paz, tranquilidade, serenidade”, disse o presidente.

Twitter

Na manhã desta quarta-feira (25), o presidente publicou no Twitter um vídeo em que um homem filma um espaço aberto no Japão com pessoas circulando.