Cavaleiros de Forró: banda tem histórico de artistas mortos em acidentes


O cantor Gabriel Diniz, ex-integrante do grupo, foi uma das vítimas no histórico da banda

Cavaleiros de Forró: banda tem histórico de artistas mortos em acidentes
Durante o histórico da banda, quatro integrantes já morreram – Foto: Divulgação

A banda Cavaleiros do Forró tem grande popularidade em seu segmento musical, com mais de 2,5 milhões de álbuns vendidos em 18 anos de carreira. No entanto, outro histórico chama a atenção: o número de acidentes e mortes de integrantes. O último caso ocorreu, na última segunda (02), quando um homem morreu após a colisão entre o caminhão da banda e um carro.

Histórico de acidentes da banda

Em 2004, uma colisão frontal entre dois ônibus, um deles transportava a banda, matou o vocalista José Inácio da Silva e o guitarrista Edvan Paulo da Silva.

O acidente foi na BR-101, na cidade de Goianinha, a 70 km de Natal. O grupo musical voltava de um show realizado na cidade pernambucana de São Caetano.

Na época, o empresário da banda explicou que os integrantes dos Cavaleiros do Forró retornariam de Pernambuco no ônibus pertencente ao grupo, mas mudaram de ideia porque o veículo apresentou problemas mecânicos.

Em 2017, outro acidente automobilístico matou a vocalista Eliza Clívia, em Aracaju. Eliza morreu com o marido depois que o veículo na qual ela estava bater em um ônibus. Eles retornavam de uma entrevista, a cantora havia iniciado sua carreira solo poucos meses antes.

O adeus à Gabriel Diniz

No dia 27 de maio de 2019, Gabriel Diniz e os pilotos Abraão Farias e Linaldo Xavier estavam a caminho de Maceió (AL) na aeronave Piper Cherokee PT-KLO, fabricada em 1974, com capacidade para quatro pessoas, e pertencente ao Aeroclube de Alagoas, que caiu em Sergipe. Diniz é intérprete da música ‘Jenifer’, grande hit do último verão.

Inquérito

A Polícia Federal (PF) em Sergipe ainda não conseguiu concluir a apuração sobre o acidente com a aeronave que há seis meses vitimou o cantor Gabriel Diniz e dois pilotos, no Povoado Porto do Mato, em Estância (SE). De acordo com a PF, foi pedida uma nova prorrogação do prazo de finalização da investigação à Justiça Federal, pois o atraso na entrega de laudos adia a conclusão do inquérito. O prazo para a finalização, que inicialmente era de 30 dias após o acidente, passa para fevereiro de 2020.